“O funk tem mais comprometimento com a periferia do que o poder público”

Renata Prado, diretora da Frente Nacional de Mulheres do Funk, fala sobre as políticas públicas voltadas para a valorização da cultura funkeira e da sexualidade feminina

Por Regina Fiore Ribeiro, repórter São Paulo

 

Renata Prado é fundadora da Frente Nacional de Mulheres do Funk, primeiro coletivo de mulheres funkeiras que surgiu para combater o racismo, o machismo e o preconceito dentro do movimento cultural e da sociedade como todo. Ela, que reconhece a necessidade de políticas públicas que abordem com seriedade a questão da educação sexual e da sexualidade feminina, vê o movimento cultural do funk como um centro de resistência da periferia, assim como o samba e o rap.

“O funk é um movimento de resistência cultural que está passando pela mesma perseguição que o samba e que o hip hop brasileiro passaram. O que caracteriza esses movimentos é a cultura negra. Pensando que vivemos em um país racista, essas culturas são criminalizadas”, explica Renata, que vê o funk como um dos braços da militância negra ao redor do mundo.

 

Para ela, a principal contradição que existe entre o funk produzido pela periferia e o funk que toca em bares e casas noturnas de elite é a apropriação e o esvaziamento de significado do movimento.“Enquanto o funk produzido e tocado pela favela é discriminado, o mainstream se apropria da nossa musicalidade e a submete a um processo de embranquecimento para enriquecer as elites. Isso não tem retorno para a favela”.

 

Sobre a militância negra, principalmente as mulheres no funk, Renata conta que essa questão é orgânica. “As mulheres já nascem com essa audácia de lutar pelo que acreditam. O feminismo está acoplado a essa luta, mas o rótulo é dispensável. Essas mulheres funkeiras existem e sempre existiram, até mesmo antes de mim. A partir do momento que existe uma mulher lutando pelo seu espaço, podemos entender que existe uma luta feminista”. Renata afirma que não há qualquer apoio, seja público ou privado, para que esse espaço seja ampliado.

 

Por falar em presença pública, Renata vê a criminalização do funk como parte do racismo estrutural. “O racismo é estrutural e estruturante. Se temos uma segurança pública com aval para invadir comunidades e reprimir funkeiros, temos também rádios que censuram letras por considerarem agressivas demais”, conta Renata, que considera que a violência contra a cultura negra não está apenas na repressão contra os jovens da periferia, mas em toda a estrutura que é alimentada pelo racismo.

 

Ao mesmo tempo, a funkeira considera que o país não tem interesse em desenvolver políticas públicas para discutir a sexualidade das mulheres, que é trazida em tantas letras do funk. “Infelizmente, estamos vivendo um momento político muito difícil. Educação sexual faz parte do espectro educacional sim, já que grande parte da violência sexual cometida contra crianças e mulheres acontece em casa. O acesso à informação é fundamental para que todos que sofrem violência se coloquem na sociedade”.

 

Renata reconhece que o funk é um movimento plural, um fenômeno brasileiro periférico que se adapta às regiões que a musicalidade ocupa. “O funk de São Paulo é diferente do Rio de Janeiro, que é diferente do que é feito no Recife. Nossa música bebe da fonte de culturas locais, que diversifica essa manifestação, mas não perde sua raiz periférica”.

 

Ela reconhece que o machismo no funk está sendo mais encarado de frente pelas MCs, que estão na estrada a tanto tempo. “Eu considero o movimento negro como pessoas negras em movimento. A partir do momento que existem várias MCs trazendo para a pauta questões como o racismo, o machismo, a lesbofobia ou a gordofobia, nós temos um movimento feminista de funkeiras se organizando, tudo de forma muito orgânica”.

A Frente Nacional de Mulheres no Funk busca, de acordo com Renata, dar voz para essas mulheres funkeiras e tem grande resultado, já que hoje é possível ver muitas mulheres MCs alcançando sucesso e sendo reconhecidas como as artistas que são. “São grandes conquistas para todas nós”. A funkeira aponta também que a criminalização do funk e o apontamento de machismo nas letras tem muito a ver com o racismo, já que o funk nasceu no berço da cultura negra. “O sertanejo, por exemplo, tem letras machistas mas não é perseguido, por ser um ritmo que nasceu entre as pessoas brancas”.

 

Renata reafirma que o funk tem um comprometimento com os jovens periféricos muito maior que o poder público. “O DJ Rennan da Penha, por exemplo, sempre atuou na comunidade e realizou trabalhos que nenhum governo faz dentro da favela, criando ações culturais e dando algum suporte para as famílias dentro das periferias”, explica ela, se referindo à ações do DJ que criou um dos maiores bailes funks do Rio de Janeiro antes de sua prisão. “Tudo o que tem relação com o funk faz parte de um processo de contribuição para a juventude periférica do Brasil”.

Para finalizar, Renata vê como responsabilidade de todas as parcelas da população, setores civis e privados, assim como governamentais, abraçar a cultura funkeira e promover discussões sobre racismo e sobre a criminalização do funk. “A Secretaria da Cultura precisa dialogar com o movimento funk, a Secretaria de Segurança Pública precisa buscar entender o movimento do funk para humanizar as pessoas que participam do movimento e não reprimi-lo como vem historicamente fazendo”. Para ela, o debate deve ser feito entre toda a comunidade e ultrapassar as barreiras impostas pelo racismo.
“Ainda vivemos em uma democracia, depende de todas e todos enxergar o funk como o movimento cultural que de fato é”.
Confira mais sobre mulheres no funk na matéria da TV Mulheres Jornalistas clicando no link Mulheres no funk

Confira também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *