Coronavírus ressalta a desigualdade social no Brasil

Por Mirian Romão-São Paulo
 
 
A crise causada pelo coronavírus está mudando o país, aprendemos a usar máscaras na rua, a levar álcool gel na bolsa e até mesmo a ter aulas a distância no ensino fundamental e médio. 
 
Muitas crianças de ensino público estão sofrendo e talvez perdendo o ano letivo por conta da desigualdade social. 
 
Segunda o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, o Brasil tem cerca de 4,8 milhões de crianças e adolescentes na faixa de 9 a 17 anos, que não possuem acesso à internet em casa. Correspondendo a 17% de todos os brasileiros nessa faixa etária.
 
A desigualdade é maior em áreas rurais, onde a porcentagem daqueles que não acessam a rede chega a 25%. Nas regiões Norte e Nordeste a porcentagem é de 21%.
 
Sem contar aqueles que não podem ficar sem trabalhar, mas que foram forçados por conta do isolamento social. O auxílio emergencial de R$600 elaborado pelo governo, não está dando conta de atender a todas as famílias. 
 
Pernambuco registrou 14.309 casos e 1.571 mortes pela doença até terça-feira (13), segundo o infectologista Luiz Cláudio Arraes, o isolamento social deveria chegar a 70%, mas por conta da desigualdade social isso se torna o maior desafio, conforme reportagem do G1
 
De acordo com as Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Brasil é o sétimo país do mundo com maior desigualdade social, apesar do índice de Desenvolvimento Humano (IDH) ser relativamente alto. 
 
A geógrafa Luiza Losco, em entrevista para a BBC, diz que “o maior problema para o controle da covid-19 no Brasil, são as profundas desigualdades regionais, encontradas na extensão territorial do país”. 
 
O Brasil está em quarto lugar com o maior número de casos de coronavírus no mundo, são 245.595 casos confirmados da covid-19, com 16 mil mortes, de acordo com os dados do Google News

Confira também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *