cinema, diretoras, filmes, mulheres no cinema, mulheres jornalistas

2020 tem número recorde de diretoras mulheres

Em um ano como nenhum outro, as mulheres dirigiram um número recorde de filmes em Hollywood

Por Giulia Ghigonetto-São Paulo
giulia.ghigonetto@mulheresjornalistas.com

De acordo com um novo estudo do Centro para o Estudo das Mulheres na Televisão e no Cinema da Universidade Estadual de San Diego, as mulheres representaram 16% dos diretores que trabalharam nos 100 filmes de maior bilheteria em 2020. 

Isso mostra um aumento de 12% em 2019 e modestos 4% em 2018, e um sinal de que a pressão sobre os estúdios para promover mais cineastas pode estar resultando em mudanças significativas. 

Com certeza essa é uma notícia surpreendente já que a pandemia do Covid-19 afetou a indústria cultural de maneira brutal, fechando salas de exibição por meses e adiando as estreias de longas bastante esperados pelo público. 

Alguns dos filmes de maior orçamento com cineastas mulheres, como “The Eternals” de Chloe Zhao e “Black Widow” de Cate Shortland, tiveram seus lançamentos mudados para 2021. Zhao também dirigiu uma promessa ao Oscar, “Nomadland”, enquanto Cathy Yan (“Aves de Rapina”) e Patty Jenkins (“Mulher Maravilha 1984”) foram responsáveis por alguns dos grandes lançamentos do ano. 

A respeito dos outros cargos, nos 100 filmes de maior bilheteria, as mulheres ocuparam 28% dos cargos de produtoras e 21% dos cargos de produtoras executivas, um aumento de dois pontos percentuais em ambas as categorias. As mulheres representavam 18% dos editores, 12% dos escritores e 3% dos cineastas. O número de cineastas aumentou um ponto percentual, mas o número de roteiristas e editoras caiu oito pontos percentuais e cinco pontos, respectivamente.

Direto do sofá

O estudo, publicado há duas décadas e supervisionado pela diretora do centro, Dra. Martha Lauzen, tentou explicar as interrupções no setor de exposições. Pela primeira vez, o projeto também rastreou a participação de mulheres na lista dos 20 filmes mais assistidos em casa, feito pela Digital Entertainment Group, de março a dezembro de 2020. 

As mulheres representavam 19% de todos os diretores, escritores, produtores executivos, produtores, editores e cineastas trabalhando nos filmes assistidos em casa, o que foi inferior aos 21% alcançados nos filmes de maior bilheteria. Quase 10% dos diretores que trabalharam nos filmes assistidos em casa eram mulheres.

“A boa notícia é que agora vimos dois anos consecutivos de crescimento para as mulheres que dirigem”, disse Lauzen em um comunicado. “Isso quebra um padrão histórico recente no qual os números tendem a subir um ano e cair no outro.”. 

A pesquisa também descobriu que os filmes com pelo menos uma diretora tem muito mais probabilidade de contratar mulheres para serem editoras, cineastas ou outros papéis importantes nos bastidores. 

Por exemplo, em filmes com cineastas, as mulheres representavam 53% dos roteiristas. Já nos filmes com diretores homens, as mulheres representavam 8% dos roteiristas. As mulheres foram editoras em 39% dos filmes com comando feminino e apenas 18% dos filmes com homens, e compuseram a música para 13% dos filmes de cineastas mulheres e apenas 4% dos filmes de diretores masculinos.

Embora a indústria tenha progredido, a maioria dos filmes (67%) empregava de zero a quatro mulheres em papéis importantes por trás das câmeras. Em contraste, mais de 70% dos filmes principais empregaram 10 ou mais homens como diretores, escritores e outras posições significativas.

Confira também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *