Vacina é esperança para o fim da pandemia apenas em países ricos

Em novembro de 2020 foram anunciadas as primeiras vacinas contra a Covid- 19. Para muitos, uma esperança do fim da pandemia, para outros, uma realidade ainda distante

Por Daniele Haller
daniele.haller@mulheresjornalistas.com

Com a distribuição e a compra das vacinas em massa por países ricos, os países de baixa renda entram em uma longa fila de espera para que as vacinas cheguem até eles. Enquanto a OMS- Organização Mundial de Saúde, tenta conscientizar sobre a importância da imunização em âmbito mundial, vários países saíram à frente na compra das vacinas, causando um “furo” na distribuição igualitária das doses. Tais atitudes, fizeram com que o objetivo de imunizar os países de forma simultânea se tornasse uma realidade ainda distante.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor da OMS, se pronunciou a respeito da desigualdade na distribuição de doses entre os países e suas possíveis consequências: “Devo ser franco: o mundo está à beira de um fracasso moral catastrófico, e o preço desse fracasso será pago com as vidas e meios de subsistência dos países mais pobres”.

Em busca de gerar uma solução para a desigualdade da imunização da população de países pobres, a OMS desenvolveu a COVAX – Covid-19 Vaccines Global Access, um mecanismo que visa assegurar um acesso igual e equitativo das vacinas COVID-19 em todo o mundo. A iniciativa objetiva reunir governos, investidores do
setor privado, cientistas, para possibilitar que as vacinas cheguem à uma maior parte da população, independentemente da situação financeira. Apesar da iniciativa, a OMS declarou que ainda existem dificuldades, pois não há vacinas suficientes para serem vendidas à Covax.

No anúncio publicado na última quinta-feira(04) no site da OMS, o diretor da organização afirma que está realizando todos os esforços para que a vacina seja distribuída a todos os países nos primeiros 100 dias desse ano: “Só nos restam 65 dias, mas estamos fazendo progressos. Como sabem, há duas semanas, a COVAX anunciou a assinatura de um acordo de compra antecipada de até 40 milhões de doses da vacina Pfizer-BioNTech”, afirma Tedros Adhanom. O comunicado também confirma que a COVAX anunciou a sua previsão de distribuição provisória para o primeiro semestre do ano.

Dentre os países que devem ser beneficiados pelo consórcio COVAX está o Brasil, que deve receber 42,5 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 até o fim de 2021. Segundo o Ministério da Saúde, essa quantidade deve garantir que cerca de 10% da população brasileira seja vacinada , de acordo com o Plano Nacional de vacinação.

Distribuição afeta bruscamente o continente africano

Com mais da metade das vacinas aprovadas pela OMS compradas pelos países ricos, apenas 14% da população, a África entra na fila de espera e vê em países como China e Rússia a possibilidade mais rápida de iniciar a vacinação.

Segundo dados da OMS, somente 75 % das vacinas produzidas até agora chegaram em apenas 10 países. Enquanto os países ricos compraram o equivalente a 96% da quantidade de vacinas oferecidas pela Pfizer, apenas 4% será distribuída para os países mais pobres, ou seja, 54 milhões. Um número muito abaixo do que o necessário, pois, apenas no bloco africano, foram encomendadas 900 milhões de doses.

Em janeiro desse ano, a diretora regional para África da Organização Mundial de Saúde (OMS), Matshidiso Moeti, alertou sobre a grande espera pela vacina no continente africano: “Nós primeiro, não eu primeiro, é a única forma de acabar com a pandemia. A acumulação de vacinas apenas prolongará a provação e atrasará a recuperação da África (…)É profundamente injusto que os africanos mais vulneráveis sejam forçados a esperar por vacinas enquanto os grupos de menor risco nos países ricos são imunizados”, disse Matshidiso Moeti.

De acordo com a ONG The People’s Vaccine Alliance, cerca de 70 países poderão vacinar apenas uma a cada dez pessoas durante o ano de 2021. Além da África, continentes como Ásia e América do Sul podem ser afetados pela desigualdade na distribuição de vacinas.

A América Latina concentra 25% das mortes por Covid- 19, os profissionais de saúde foram bruscamente atingidos e a distribuição das vacinas tem se mostrado não apenas lenta, mas desigual. Na Ásia, a Índia iniciou a produção de vacinas e começou a fornecer para outros países, mas priorizando a própria população. A Indonésia preparou um plano de vacinação que tem ido no sentido contrário à maioria dos países, vacinando primeiramente seus jovens, sob o argumento de que eles são os principais transmissores do vírus.

Enquanto os países pobres ainda não sabem quando poderão iniciar a vacinação, outras nações já iniciaram a aplicação da segunda dose da vacina. Um cenário não muito distante do que o mundo já está acostumado a ver, onde quem pode ,leva mais. Mais uma vez, a parcela mais pobre da população fica à margem, à mercê de uma mundo que, mesmo diante de uma pandemia, apenas comercializa o único remédio, dificultando não apenas o acesso a todos, mas também a erradicação da pior epidemia dos últimos 100 anos.

5 comentários sobre “Vacina é esperança para o fim da pandemia apenas em países ricos

  1. First off I would like to say awesome blog! I had a
    quick question that I’d like to ask if you do not mind.

    I was interested to find out how you center yourself and clear your head before writing.
    I’ve had a hard time clearing my thoughts in getting my ideas out there.
    I truly do enjoy writing but it just seems like the first 10 to 15 minutes are wasted simply just trying
    to figure out how to begin. Any suggestions or hints?
    Kudos! real madrid udebanetrøje StepanieQ camiseta sevilla RomanGame

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.