Luiza Esteves
Repórter Mulheres Jornalistas – RJ
 
 O número de maus-tratos a animais vem crescendo a cada ano. Conforme a Polícia Civil, o primeiro semestre de 2019 já superou todos os registros do ano passado. Até junho desse ano, a Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente (Dema) detectou o aumentou 18, 9% dos casos de denúncia. Mas, o que essa pesquisa não pode quantificar é o sofrimento que a cachorrinha Caramelo passou antes de ser resgatada pela Au Miau Protetores Independentes.
 
“Imaginamos que alguém tenha apagado cigarro nela. Mas, isso não a impediu de confiar no seu humano, porque ela é muito carinhosa e grata”, relata a protetora Lorena Viana de 18 anos. Hoje, Caramelo não faz parte apenas da estatística de maus tratos contra animais, mas também é uma entre os diversos animais resgatados pelos protetores independentes da Au Miau. Com seis anos de existência e sem apoio financeiro, o projeto surgiu com duas protetoras que se conheceram em feiras de adoção e se juntaram para lutar em prol do respeito aos animais. E como diz Lorena, tudo que foi necessário para dar o pontapé inicial foi “amor e carinho”.
 
Algo que supera todos os riscos enfrentados. “Ser protetor é ver um cachorro apanhando na rua e não ficar calado. É comprar briga, ser mordido, ou parar na linha vermelha. Nada disso tem problema, porque é o amor que move a gente. Não escolhemos o animal que vamos resgatar, eles que nos escolhem”, explica. Mas, o projeto vai muito além de resgate, amor e carinho.
 
Com recursos próprios, veterinários, protetores e voluntários preparam os animais para o processo de adoção com vermifugação, esterilização, vacinas e tratamento de doenças. O projeto é árduo, conta a responsável pela Au Miau Michelle Elloi de 33 anos, mas satisfatório. “Arcamos com toda despesa, colocamos na nossa casa, cuidamos, castramos, vermifugamos e vacinamos”. E toda essa preparação pode resultar em meses de espera do animal para um novo dono.
 
Essa espera pode ser a causa de vários motivos. Alguns deles é a idade avançada do cão ou gato até a cor dos animais. Gatos pretos ou brancos e pretos, que são mais ou comuns, demoram para ser adotados. Já cães novos, pequenos e branquinhos são os primeiros a serem escolhidos.
 
Mas, mesmo com a adoção, um ciclo é encerrado apenas para começar outro. Esse último não marcado apenas com outro animal de rua sendo encontrado, mas com todo um trabalho de pós-adoção administrado pelos protetores. Por exemplo, para adotar o animal, a pessoa precisa passar no petshop e comprar pelo menos três quilos de ração, uma coleira e pote de água.
 
Para se certificar da compra, uma das protetoras acompanha o novo dono até o petshop. Além disso, todo animal fica seis meses sendo acompanhado pela equipe e se necessário, fazem uma visita para se certificarem da saúde do animal e se tudo está correndo bem. “O processo de adoção precisa ser minucioso, por que não é qualquer pessoa que está pronta para adotar”, comenta Bruna Novaes de 29 anos, também protetora.
 
Essa preocupação é a forma que encontraram para impedir o problema de devoluções. Nesse ano, por exemplo, aconteceram cinco devoluções em um mês. Todas após dois a três meses de adoção. “É muito sofrido não só para a gente que trabalha com eles, mas para os animais. É traumático ser devolvido porque eles se sentem negligenciados, desolados”, conta Lorena. Dentre diversas questões, a devolução ocorre principalmente devido ao processo de adaptação.
 
Não é sempre que o dono está habituado com o choro noturno de filhotes ou com o hábito do animal de roer objetos. Isso sem contar quando o animal passou fome na rua e consequentemente, pode se tornar territorial em relação ao seu pote de comida, rosnando para o dono quando ele se aproxima.
 
Mas, de acordo com Lorena, “quando queremos, dá certo”. “A protetora Michelle tem três cachorros e foi difícil, pois destroem móveis, bagunçam a casa”, completa. “Por trabalhar com isso, sabemos que é possível adaptar os animais, só que alguns precisam de mais tempo do que outros”.
 
Só que quando é inevitável, a Au Miau recebe o animal de braços abertos. Um dos termos do contrato de adoção é que, em caso de devolução, ele deve ser encaminhado de volta os protetores. Esse retorno impede que ocorra um ciclo vicioso em que o dono adota o animal e o abandone mais uma vez para as ruas.
 
Mesmo assim, o retorno não deixa de ser um problema. Nesse mesmo período de maior devolução, a organização tinha cerca de trinta animais sem abrigo. A solução foi deixar alguns em hospedagens pagas e fazer da própria casa, um lar temporário para os cães e gatos.
 
Essa última situação sendo a consequência de serem um projeto sem apoio financeiro. Quando não tiram do próprio bolso, a Au Miau consegue se manter do que é doado. “Temos padrinhos e madrinhas, pessoas que escolhem um ou mais animais e que dão um valor mensal”, explica. Cada protetora tem a meta de conseguir, pelo menos, três padrinhos e com a ajuda de rifas, é assim que eles se mantêm.
 
Como a legislação percebe os maus-tratos
“Manter o animal acorrentado, privá-lo das necessidades básicas, praticar ato de abuso, maus tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos além de crueldade, é lei federal e passível de multa”, explica a voluntária Bárbara Mendes. “Muita gente não reconhece como uma lei. Os protetores são questionados o tempo todo: ‘Por que não ajuda uma criança ao invés desses vira latas?’”.
 
Mesmo com esse pensamento popular que leva algumas pessoas a abandonarem seus animais, a Lei Nº 4.731 da Câmara Municipal do Rio de Janeiro estabelece uma multa no valor de até dois mil reais para quem provocar qualquer tipo de maus-tratos e crueldade contra animais de forma direta ou indireta.
 
Em contrapartida, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), há cerca de trinta milhões de animais abandonados no Brasil. Destes, dois a cada três animais são cães. E essa estatística se mostra todos os dias para os protetores da Au Miau. Em Vila Valqueire, por exemplo, encontraram 37 cachorros de uma acumuladora, que estavam sem comer há um mês e meio, doentes, com sarna e problemas nos olhos.
 
Mesmo sem abrigo, a organização pegou o caso. Foram feitas cirurgias, retiradas de câncer. Tudo isso com o risco de aparecerem outros animais abandonados. Então combinaram que não poderiam fazer mais resgates por um tempo. “Até que apareceu o Bartolomeu”, explicou Lorena. “Ele estava desnutrido e sem forma para andar. A única coisa que eu tinha na bolsa era ração de gato. Mas mesmo assim, dei para ele comer. Ele comeu, deitou na minha mão e me olhou. E eu comecei a chorar no meio da rua”.
 
Bartolomeu então foi resgatado. Mesmo com a promessa de não abrigarem mais nenhum animal, a Au Miau aceitou o desafio de levar o cão que além de diversos outros problemas, tinha a doença do carrapato. Assim, grupos de proteção como a Au Miau tentam mudar as estatísticas, não apenas isso, mas também a vida desses animais e de seus futuros donos. “Costumamos dizer que adotar é mudar um destino”.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.