Globo de Ouro faz história nomeando três diretoras

Depois de um jejum de seis anos, não só uma, mas três mulheres foram indicadas ao prêmio de direção

Por Giulia Ghigonetto
giulia.ghigonetto@mulheresjornalistas.com

A edição de 2021 do Globo de Ouro veio para fazer história, marcada por ter, pela primeira vez nos 78 anos da premiação, mais de uma diretora indicada. 

Desse modo, mais mulheres do que homens estão na disputa pelo prêmio de direção, sendo duas delas não brancas. As indicadas são Chloé Zhao, por “Nomadland”; Emerald Fennell, por “Bela Vingança”; e Regina King, por “Uma Noite em Miami”. Elas disputarão a estatueta com David Fincher, por “Mank”, e Aaron Sorkin, por “Os 7 de Chicago”. Tanto Fennel quanto King são estreantes na direção de longa-metragem.

A indicação de Zhao a torna a primeira mulher de ascendência asiática a ser indicada no quesito direção. O reconhecimento de King faz dela a segunda mulher negra (seguindo DuVernay) a ser indicada.

O Globo de Ouro só indicava homens na categoria de direção desde 2015, quando Ava DuVernay concorreu por “Selma – Uma Luta Pela Igualdade”. Em toda a sua história, a única mulher a ganhar o prêmio foi Barbra Streisand, por “Yentl”, em 1984.

Vale lembrar que, em 2018, Natalie Portman ganhou as manchetes por chamar a atenção para a falta de mulheres indicadas para a direção no Globo de Ouro. Enquanto estava no palco para apresentar o prêmio de melhor diretor, ela brincou: “Aqui estão os homens indicados”. Desde então, o Hollywood Foreign Press Association (órgão de votação por trás da premiação anual) tem sido alvo de críticas. 

De um modo geral, as premiações não têm um bom histórico quando se trata de homenagear mulheres atrás das câmeras. O Oscar apenas indicou cinco mulheres em 92 anos: Lina Wertmüller (em 1976 por “Pasqualino Sete Belezas”), Jane Campion (em 1993 por “O Piano”), Sofia Coppola (em 2003 por “Encontros e Desencontros”), Kathryn Bigelow (em 2009 para “Guerra ao Terror”) e Greta Gerwig (em 2017 para “Lady Bird”).

Conhecido como um dos termômetros para o Oscar, as nomeações na categoria do Globo de Ouro podem indicar um recorde em outros prêmios e até uma possível vitória feminina. 

Em Hollywood, as cineastas ainda estão amplamente sub-representadas. As mulheres são responsáveis por 16% dos diretores que trabalharam nos 100 filmes de maior bilheteria em 2020, uma melhoria em relação aos 12% em 2019 e 4% em 2018. No entanto, é um sinal de que a indústria do entretenimento está muito atrás na paridade de gênero.

 

Confira também...

1 comentário

  1. Ghighi
    Excelente matéria.
    Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *