Afinal, os pets transmitem a Covid-19?

Giselle Cunha, Jornalista -SP

giselle.cunha@mulheresjornalistas.com

Chefe de Reportagem: Juliana Mônaco, Jornalista

Editora Chefe: Letícia Fagundes, Jornalista

Características do vírus nos pets e nos humanos, cuidados e mitos

Um ano após o primeiro anúncio de lockdown, ainda enfrentamos uma batalha invisível e sem data final. Essa mudança repentina na rotina gerou estresse e ansiedade não somente em nós seres humanos, mas também nos animais.

A dúvida sobre a contaminação dos pets pela covid-19 tem sido um dos assuntos mais questionados desde o início da pandemia, o que acabou fomentando a indústria das fake news. De lá pra cá, foram dezenas de notícias que ainda não tiveram nenhuma base científica comprovada.

O que se sabe até agora é que o vírus sofre mutações de acordo com o tempo e seus hospedeiros, porém o caso mais recente da gata que veio a óbito no Rio Grande do Sulgerou bastante polêmica no meio Pet. Até o momento, não houve comprovação de que o vírus tenha sido o causador do falecimento.

É importante observarmos que existe uma diferença entre estar contaminado, quando a pessoa ou o animal está portando o vírus mas não o transmite a terceiros, e estar infectado, quando a pessoa ou o animal, além de portar o vírus, desenvolve a doença e se torna um agente transmissor. Esclarecida essa diferença, também vale ressaltar que gatos são acometidos regularmente por doenças respiratórias e, justamente por isso, o quadro clínico de perda de apetite, falta de ar e inflamação pulmonar pode ter sido gerado por outras doenças comuns na espécie.

Estudos indicam que apenas nós humanos podemos transmitir o vírus para os pets domésticos (e não ao contrário). Isso pode ocorrer através do toque e do beijo. Por esse motivo, ao testar positivo, cumpra o isolamento inclusive do seu peludo. Uma equipe do Instituto de Pesquisa Veterinária Harbin, na China, descobriu que,geneticamente, essa contaminação acaba ocorrendo com mais facilidade nos felinos, enquanto cães e outras espécies foram consideradas menos suscetíveis.

A  Associação Mundial de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais (WSAVA) destacou em um comunicado que “atualmente não há evidências de que animais de estimação possam ser uma fonte de infecção para as pessoas”. Reforçar essa informação é importante para que não ocorram abandonos por medo ou falta de informação.

Convidamos a dra.Flávia Alexandra dos Santos Martorelli da Costa, médica veterinária,para nos explicar a diferença entre o coronavírus comum em animais e o coronavírus mais recente que afetou nós humanos.

Mulheres Jornalistas (MJ):Qual a diferença do coronavírus dos Pets e dos humanos?

Dra. Flávia: Os coronavírus pertencem a uma grande família de vírus, chamada Coronaviridae, a qual abrange 2 subfamílias, 5 gêneros, 26 subgêneros e 46 espécies de vírus. O SARS-CoV-2, a atual covid 19, afeta humanos e pertence ao gênero Betacoronavirus.

Cães e gatos também podem ser acometidos por outros gêneros de coronavírus, sendo os mais conhecidos aqueles do gênero Alphacoronavirus, que não são transmitidos a seres humanos. Um deles, o coronavírus entérico canino (CCoV), por exemplo, causa gastroenterite canina, infectando as células do intestino. Já o coronavírus felino (FCoV) causa nos gatos uma doença conhecida como peritonite infecciosa felina (PIF).

MJ: Quais complicações de saúde que o coronavírus dos Pets ocasiona em cachorros e gatos?

Dra. Flávia: No coronavírus canino, o cão infectado apresenta perda de apetite, apatia, febre, vômitos e intensa diarréia. A gravidade do caso vai depender da idade do animal (filhotes ou animais imunossuprimidos são mais propensos à gravidade) e de complicações como desidratação, infecção intestinal, e coinfecção com outros vírus como a Parvovirose.

Já nos gatos, a doença tem duas apresentações: efusiva e não efusiva. Pode acometer o gato de forma sistêmica. É uma doença imunomediada, multissistêmica e, infelizmente, fatal.

MJ: Existe alguma prevenção?

Dra. Flávia: Para o coronavírus canino, existe a vacina V8 ou V10. Ela faz parte da primovacinação do filhote e precisa de reforço anual.Para a PIF em felinos, não há vacina no Brasil.

Em local de muitos gatos, deve-se fazer uma triagem entre gatos positivos e negativos para o coronavírus e realizar a separação. A introdução de novos gatos também deve ser feita mediante sorologia e PCR negativos. Desconfiar sempre daquele filhote mais magrinho e com pouco ganho de peso.

MJ: Qual o seu conselho sobre o comportamento e convívio entre um ser humano infectado pela covid-19 e seu Pet?

Dra. Flávia: O que eu costumo orientar é que os pets funcionam como superfícies de contato, e podem ficar com vírus nos pelos e até mesmo no trato respiratório ao serem mantidos em contato muito próximo com o humano infectado pela covid-19.

Faço uma analogia ao travesseiro do paciente. Não seria recomendado ao pet deitar no travesseiro de uma pessoa que está com a doença pelo contato direto dessa superfície com as secreções da pessoa infectada. Imagine um animal que dorme grudado ao ser humano doente? Como estaria a superfície de pelos dele?

Quanto à possibilidade dos pets se infectarem e transmitirem acovid-19, diversos centros de pesquisas nacionais e internacionais estão estudando a fim de compreender melhor a atividade desse vírus e sua interação tanto no homem como em animais. Mas ainda não há evidências científicas de que possa acontecer de fato.

A orientação da OMS é que pessoas infectadas pelacovid-19 evitem o contato com outras pessoas e também com seus animais de estimação, mantendo as mesmas boas práticas de higiene das mãos, objetos usados e isolamento.

 

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com