Remédio ineficaz, presidente idem 

Bolsonaro faz da cloroquina uma bandeira de seu governo para blindar sua gestão de responsabilidade sobre a pandemia e a iminente recessão econômica  

Comentarista Melissa Rocha- RJ
melissa.rocha@mulheresjornalistas.com

A exaltação de uma miragem. Não há como descrever melhor a cena do presidente Jair Bolsonaro erguendo, como um troféu, uma caixa de hidroxicloroquina diante de apoiadores em frente ao Palácio do Planalto. 

A cena, que guardava contornos de um culto religioso, foi acompanhada de aplausos fervorosos do público presente, comprovando que o medicamento se tornou uma bandeira bolsonarista. O fato de que a droga não tem eficácia contra a Covid-19, e gera efeitos colaterais que podem ser fatais para alguns, se tornou um mero detalhe para aqueles ansiosos em acreditar na “pílula milagrosa” do presidente. E essa crença cega veio a calhar para um governo desesperado em conter a deterioração de sua imagem. 

Desde que Bolsonaro tomou posse, os mitos em torno de sua figura caíram um por um. Primeiro, caiu a promessa de compor um governo com nomes técnicos, sem ideologia. Depois, o avanço das investigações sobre rachadinha e funcionários laranja envolvendo Bolsonaro e seus filhos fez ruir a imagem do político que “pode ser chamado de tudo, menos de corrupto”. Em seguida, o salto nas despesas com cartão corporativo da presidência da República derrubou a promessa de um governo disposto a cortar gastos – a não ser, é claro, que sejam os gastos com educação, mas isso é tema para outro artigo.  

Agora, Bolsonaro se agarra à cloroquina como a uma tábua de salvação, no intuito de manter o último dos mitos: o de que seu governo colocaria, rapidamente, a economia do país nos eixos. O presidente sabe que a pandemia é uma realidade, mas não está preocupado com o fato de termos ultrapassado a sombria marca de 80 mil mortos. Prova disso é o recente relatório do TCU que apontou omissão do governo na pandemia, por deixar retidos nos cofres da União dois terços da verba emergencial liberada para conter a doença. 

No momento, o foco de Bolsonaro é a iminente recessão econômica. O FMI estima que o freio na economia mundial desencadeado pela pandemia resultará em uma contração de 4,9% na produção global em 2020. Para o Brasil – que fechou 2019 com uma expansão de apenas 1,1% – o fundo projeta uma contração econômica de 9,1% este ano, percentual acima da queda de 6,5% projetada pelo mais recente Boletim Focus, do Banco Central. 

Nesse contexto, o culto à cloroquina reflete uma manobra de Bolsonaro para blindar seu governo de responsabilidade sobre a crise econômica. Trata-se da velha estratégia de apontar um inimigo, uma força oculta que estaria agindo para minar seu governo. Ao exaltar a cloroquina, Bolsonaro passou a seguinte mensagem a seus apoiadores: “Remédio para a Covid-19 existe, aqui está. Mas eles não querem que você tome porque desejam semear o caos econômico para me responsabilizar”. 

Mas tal estratégia somente terá impacto no eleitorado do presidente, uma vez que é mundialmente notória a má gestão de Bolsonaro na pandemia, bem como a ineficácia da droga contra a doença. Para o restante da população, fica a constatação de que a cloroquina está para a cura da Covid-19, assim como Bolsonaro está para presidência da República: nenhum dos dois funciona. 

Que tal ler essas matérias também...

1 comentário

  1. Salete says:

    Baita texto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *